Avaliação da Composição pela Densitometria

Avaliação Composição
Corporal por Densitometria

A composição corporal medida por densitometria (DEXA) é considerada o padrão ouro entre os diversos métodos que avaliam a composição corporal. A DEXA proporciona dados precisos sobre a densidade mineral óssea, conteúdo corporal de gordura e de massa magra, gerando resultados do corpo total e dados da composição regional (tronco, braços, pernas, pelve e regiões androide e ginoide). É um exame rápido, não invasivo, com baixa dose de radiação e requer um preparo simples.

A medida da massa magra inclui a água corporal, tecido muscular e os órgão internos. Em condições normais a quantidade de água corporal e a massa dor órgãos internos são constantes, assim, qualquer variação da massa magra pode ser atribuída à quantidade de tecido muscular.

Em relação ao estudo da massa gordurosa, esse exame vai além do peso e do índice de massa corporal (IMC), sendo capaz de determinar a distribuição da gordura no corpo, proporcionando uma avaliação detalhada da composição regional, bem como da adiposidade visceral, que está relacionada a doenças metabólicas, resistência à insulina, dislipidemia e ao aumento do risco para doença cardiovascular e hipertensão arterial.

Em pacientes atletas, a DEXA é de fundamental importância para a avaliação inicial, planejamento e controle dos resultados. Para atletas de alto rendimento, que já costumam ter o IMC elevado, mudanças pequenas na composição corporal afetam o desempenho nos exercícios, assim, esse exame é crucial para monitorar qualquer variação na composição corporal, ajudando no planejamento de treinos e da dieta alimentar.

A DEXA tem se mostrado insubstituível nos casos de pacientes com sarcopenia, que é a perda da massa muscular, um processo comum no envelhecimento, gerando fraqueza e, por vezes, imobilidade, aumentando também o risco de quedas. O exame é capaz de avaliar de forma precisa a massa muscular, dando subsídio para as propostas de tratamento e de reabilitação desses pacientes.

Por fim, seguem algumas áreas de interesse para a indicação da DEXA:

  • Distúrbios alimentares: anorexia, bulimia e obesidade.
  • Medicina esportiva.
  • Sarcopenia.
  • Lipodistrofias (distúrbio na distribuição da gordura subcutânea).
  • Estudos de crescimento e desenvolvimento em pacientes jovens.